Como se acha o petróleo?

22 de novembro de 2007

Como se acha o petróleo?

Video no YouTube que mostra as três etapas da exploração do petróleo: sondagem, análise e prospecção.
http://www.youtube.com/watch?v=tMtypnHudL4&feature=related
O vídeo faz parte da exposição “Caminhos do Passado, Mudanças no Futuro”, em cartaz no Museu da Maré (06/10/2007  a  30/04/2008)
http://www.casadaciencia.ufrj.br

Folha: Empresas dizem estar “inseguras” com mudanças no setor de petróleo

9 de novembro de 2007

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u344287.shtml
09/11/2007

Empresas dizem estar inseguras com mudanças no setor de petróleo

CIRILO JUNIOR

da Folha Online, no Rio

Representantes de empresas do setor privado de petróleo e gás manifestaram nesta sexta-feira preocupação com o futuro do marco regulatório do setor no País.

O presidente do IBP (Instituto Brasileiro do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), João Carlos de Luca, disse que o setor privado quer discutir com o governo o modelo de concessão das áreas do “Pré-sal”, cujas estimativas apontam para a ocorrência de reservas gigantes de óleo e gás.

O presidente da norueguesa Statoil no Brasil, Jorge Camargo, mostrou-se preocupado com a estabilidade das regras do setor, depois que o governo decidiu retirar 41 blocos da 9ª Rodada de Licitações da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

“Vemos essas mudanças com preocupação. O setor necessita de estabilidade. Vivemos uma situação de certa insegurança sobre qual o modelo que o governo vai querer adotar daqui para frente”, afirmou.

Novo modelo

A ministra Dilma Rousseff declarou ontem que o governo vai estudar um novo modelo de concessão para as áreas do “Pré-sal”.

João Carlos de Luca acrescentou que a decisão de retirar as áreas da 9ª Rodada traz impacto na “previsibilidade e credibilidade” do leilão, marcado para os dias 27 e 28 deste mês. Ele lembrou que a suspensão da 8ª Rodada, no ano passado, por determinação da Justiça, já atrapalhara o desenvolvimento da indústria de petróleo e gás.

Segundo de Luca, o IBP vinha trabalhando para restabelecer o “acidente de percurso” na 8ª Rodada.

O presidente do IBP descartou a possibilidade de tentar barrar a decisão do governo sobre a 9ª Rodada na Justiça.

“É uma decisão soberana do governo. Não vamos gastar energia com essa questão”.

Na hora devida

O presidente da norte-americana Devon Energy no Brasil, Murilo Marroquim, considerou que a decisão de retirar os blocos às vésperas da rodada não foi tomada na hora devida.

Ele disse que o governo já sabia da possibilidade das reservas gigantes no “Pré-sal” há alguns meses, e que não poderia mudar as regras em cima da hora.

“O Pré-sal não é novidade para a indústria, todos já sabiam dessa possibilidade. As empresas investiram bastante na pesquisa e aquisição de dados para o leilão, e agora terão que rever isso tudo”, afirmou.

Marroquim ressaltou que a retirada dos 41 blocos tornará a rodada “bem menos atrativa”.

O presidente da canadense Encana, Júlio Moreira, chegou a questionar até mesmo a estabilidade de regras em outros setores da economia. Ele lembrou que a medida adotada para o leilão põe em credibilidade até mesmo o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

“Quem me garante até que ponto as outras coisas não podem mudar também?”, indagou.

Mais investidores

Já o presidente da britânica BG Group, Luiz Costamillan, defendeu que a participação de mais investidores no setor poderá acelerar os investimentos para a descoberta de novas reservas. A BG detém 25% do campo de Tupi [cujas reservas estimadas podem chegar a até 8 bilhões de barris], na Bacia de Santos, sendo sócia da Petrobras no projeto.

“Queremos avançar no menor prazo possível. Mas é o operador quem decide”, afirmou, ao se referir à expectativa de produção no campo. O operador, no caso, é a Petrobras, que detém 65% de participação no ativo.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u344287.shtml

Petrobras confirma reservas gigantes de óleo e gás em Tupi

8 de novembro de 2007

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u343829.shtml
08/11/2007

Petrobras confirma reservas gigantes de óleo e gás em Tupi

da Folha Online, no Rio

A Petrobras informou nesta quinta-feira que os testes no campo de Tupi, na Bacia de Santos, indicam um volume recuperável de 5 bilhões a 8 bilhões de barris de óleo e gás natural.

A área avaliada está na região denominada de pré-sal, onde os reservatórios se encontram abaixo de uma extensa camada de sal, localizada até a 5.000 metros de profundidade.

Os testes foram feitos no poço 1-RJS-646, que está no bloco BMS-S-11. O petróleo encontrado tem 28º API. O óleo é mais leve à medida que seu grau é mais elevado. O óleo pesado da Bacia de Campos, por exemplo, tem de 17 º API a 20º API.

A Petrobras é operadora do bloco e detém 65% do ativo. As sócias são a britânica BG Group, com 25%, e a portuguesa Petrogal – Galp Energia, com 10%.

“A Petrobras realizou, também, uma avaliação regional do potencial petrolífero do pré-sal que se estende nas bacias do Sul e Sudeste brasileiros. Os volumes recuperáveis estimados de óleo e gás para os reservatórios do pré-sal, se confirmados, elevarão significativamente a quantidade de óleo existente em bacias brasileiras, colocando o Brasil entre os países com grandes reservas de petróleo e gás do mundo’, disse a estatal em comunicado.

http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u343829.shtml

Petrobras anuncia nova reserva de petróleo na Bacia de Santos

8 de novembro de 2007

http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2007/11/08/materia.2007-11-08.5276922639/view

Agência Brasil

8 de Novembro de 2007

Petrobras anuncia nova reserva de petróleo na Bacia de Santos

Nielmar de Oliveira

Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – A Petrobras anunciou hoje (8) que concluiu a análise dos testes de formação do segundo poço da área denominada Tupi, no bloco BM-S-11, localizado na Bacia de Santos, na chamada camada pré-sal. Segundo a Agência Petrobras de Notícias, o volume de óleo leve (de 28º API) é estimado entre 5 e 8 bilhões de barris, de petróleo e gás natural.

Atualmente, o país tem reservas provadas (que estão confirmadas e são passíveis de extração) de petróleo e gás da ordem de 12,5 a 13 bilhões de barris. Isso significa que o volume de óleo e gás anunciado pela estatal representa quase metade do total dessas reservas.

De acordo com a nota, a estatal também realizou avaliação regional do potencial petrolífero do pré-sal que se estende pelas bacias do Sul e Sudeste brasileiros.

“Os volumes recuperáveis estimados de óleo e gás para os reservatórios do pré-sal, se confirmados, elevarão significativamente a quantidade de óleo existente em bacias brasileiras, colocando o Brasil entre os países com grandes reservas de petróleo e gás do mundo”, informa a agência.

A Petrobras também informou que os poços que atingiram o pré-sal e que foram testados mostram, até agora, “alta produtividade de petróleo leve e de gás natural”.

Esses poços se localizam nas bacias do Espírito Santo, de Campos e de Santos – a Bacia de Santos se estende de Cabo Frio ao alto de Florianópolis (SC).

O pré-sal é uma camada de rochas-reservatório que se encontram abaixo de uma extensa camada de sal, que abrange o litoral do Estado do Espírito Santo até Santa Catarina, ao longo de mais de 800 quilômetros de extensão por até 200 quilômetros de largura, em lâmina d’água que varia de 1.500 a 3.000 metros e soterramento entre 3.000 e 4.000 metros.

Óleo leve é aquele de melhor qualidade, no qual quanto maior o grau API, mais fino é o petróleo que produz. A Bacia de Campos tem predominantemente petróleo pesado, que exige a mistura com óleo leve no processo de refino.

A Petrobras é operadora da área onde se localiza a reserva, e detém 65%; a empresa britânica BG detém 25% e a portuguesa Petrogal – Galp Energia, 10%.

http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2007/11/08/materia.2007-11-08.5276922639/view

%d blogueiros gostam disto: