Pré-sal, uma riqueza desconhecida em risco


Radio Agência NP

29 de agosto de 2009

Pré-sal, uma riqueza desconhecida em risco

http://www.radioagencianp.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=7499&Itemid=43
-

Clique aqui para ouvir (5’17” / 1,20 Mb) – A descoberta de petróleo na camada pré-sal representa a última fronteira deste recurso no mundo. Maior reserva petrolífera descoberta no planeta desde a década de 80, com extensão de 800 quilômetros, a 300 quilômetros da costa brasileira, o pré-sal é uma faixa que vai de Santa Catarina ao Espírito Santo.

Esta descoberta se deu com o desenvolvimento de pesquisa em águas profundas, que atingiu sete mil metros de profundidade nas águas do mar. O estudo foi realizado pela Petrobras, desde a década de 70, com o investimento de milhões de recursos do Estado. De acordo com especialistas, um único furo em alto-mar custa cerca de US$ 200 milhões.

ImageNo entanto, esta riqueza descoberta – que pode alcançar até 300 bilhões de barris de petróleo – ainda não foi calculada na sua totalidade. Para o ex-diretor da Petrobras, Ildo Sauer, esta situação traz o risco de que o Estado não saiba a quantidade de petróleo extraída de cada área, onde transnacionais já estão em operação.

“Qual a grande questão que precisa ser esclarecida urgentemente? É saber se essa formação do pré-sal que vai do estado de Santa Catarina até o Espírito Santo tem uma única e contínua reserva de petróleo ou se são várias grandes reservas de petróleo. Por que é importante saber isso? Porque para operar a retirada desse petróleo, é preciso conhecer sua estrutura geológica. Do contrário, corre-se o risco de danificar a retirada do petróleo.”

Na avaliação de Sauer, não se deve definir a nova Lei do Petróleo sem a exata quantificação das reservas do pré-sal.

“Entendo que é muito difícil definir um modelo de como se vai explorar esse petróleo, de como vai se dividir o resultado dessa exploração, sem conhecer a característica exata. Se há um ou vários grandes reservatórios de exploração. Se as concessões feitas dos reservatórios existentes – quatro no governo Fernando Henrique Cardoso e cinco no governo Lula de direitos de exploração sobre esta área – prevalecem para explorar o pré-sal. Essas questões devem ser esclarecidas para que se possa desenvolver um programa técnico de retirada deste petróleo no futuro em um ritmo, com um programa compatível com a necessidade de gerar recursos.”

Por este motivo, a sociedade civil e os movimentos sociais organizados na campanha “O petróleo tem que ser nosso”, exigem que o Governo Federal contrate a empresa Petrobras para mensurar os recursos de cada campo de petróleo. As reservas do pré-sal podem estar interligadas, por isso é preciso evitar que, a partir de áreas vendidas, o petróleo seja retirado de áreas que ainda não foram colocadas à venda. Atualmente, cerca de 60% da área do pré-sal pertence à União.


Image

O Estado brasileiro deve definir o ritmo da exploração do recurso, de acordo com os interesses do país. Os movimentos sociais questionam a pressa com que as elites querem vender as reservas recém-descobertas.

Para o diretor do Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro, Emanuel Cancella, não faz sentido explorar as riquezas com velocidade. De imediato, o ritmo das atuais reservas deve se limitar a atender a demanda interna. Os Estados Unidos, por exemplo, mesmo no auge da produção, sempre investiu em suas fontes de reserva e não exportou petróleo.

“O Brasil já é auto-suficiente na produção de petróleo. Então, não temos nenhuma necessidade de intensificar essa produção. O petróleo é estratégico. Não existe moeda mais forte do que o petróleo. Países que têm reservas de petróleo – os países desenvolvidos – não são exportadores. Eles guardam o seu petróleo estrategicamente e preferem comprar.”

Leia e ouça todos os programas da série especial “O petróleo tem que ser nosso“:

Programa 1 – Petróleo no Brasil: memória de lutas populares
Programa 2 – Pré-sal, uma riqueza desconhecida em risco
Programa 3 – As reservas de petróleo e a luta por soberania nacional
Programa 4 – Fundo Social Soberano nas mãos do povo brasileiro
Programa 5 – Uma outra inserção do Brasil no contexto mundial
Programa 6 – O petróleo e as novas fontes renováveis
Programa 7 – Mobilização: um caminho para o povo brasileiro



Ficha técnica

Coordenação: Danilo Augusto

Revisão de conteúdo: Ana Maria Amorim, Aline Scarso, Desirèe Luíse e Pedro Carrano

Reportagem: Pedro Carrano

Vinhetas: Dafne Melo e Nilton Viana

Sonoplastia: Adílson Oliveira e Jorge Mayer

Locução: Ana Maria Amorim e Pedro Carrano


http://www.radioagencianp.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=7499&Itemid=43
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: