Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal retoma suas atividades

14 de maio de 2011

Sul21
13 de maio de 2011

Gaúchos reinstalam comitê em defesa do pré-sal

Felipe Prestes

 

Foi reinstalado ontem (12), na Assembleia Legislativa, o Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal, que estava inativo desde o fim da legislatura passada. Com a presença de representantes de trabalhadores petroleiros, centrais sindicais, movimentos estudantis, entre outras entidades, os presentes concordaram que uma etapa foi vencida pelo Comitê com a aprovação do marco regulatório do pré-sal, em dezembro do ano passado. A conversa de ontem serviu para iniciar um debate sobre os novos rumos, após a aprovação do projeto.

“Ainda que as leis do marco regulatório já estejam vigorando, há uma série de vetos que ainda serão analisados. A reunião questionou algumas questões sobre estes vetos”, afirma o deputado Raul Carrion (PC do B), um dos que solicitou à mesa diretora da Assembleia a retomada do comitê. Entre os temas em discussão, esteve o veto à emenda Ibsen/Simon que trata dos royalties do petróleo. Uma nova reunião do comitê já está marcada para o próximo dia 25.

  Continue lendo »


Câmara estadual retomará ações do Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal

16 de março de 2011

Câmara Legislativa do RS
15/03/2011

Parlamento estadual retomará ações do Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal

Claudia Paulitsch  

O Parlamento do Rio grande do Sul retomará as ações do Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal, conforme deliberação da Mesa Diretora da Casa, em reunião realizada nesta terça-feira (15), conduzida pelo presidente, Adão Villaverde (PT). O Comitê foi instalado no dia 15 de julho de 2009, com a presença de entidades da sociedade civil parceiras do movimento. Houve adesão de 31 entidades.
O movimento em defesa da camada pré-sal surgiu em 2008, liderado pela Associação dos Engenheiros da Petrobras (AEPET), Associação de Juízes do RS ( Ajuris), Ordem dos Advogados do Brasil, seção do Rio Grande do Sul (OAB/RS) e outras entidades. A criação foi definida no dia 18 de maio de 2009, em audiência pública solicitada pela Ajuris, na Assembleia Legislativa.
A proposta de retomada das ações voltadas ao pré-sal foi encaminhada à Mesa pelo deputado Raul Carrion (PCdoB).

Após eleições, Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal retoma atividades

15 de novembro de 2010

Correio do Povo
15/11/2010

Comitê do pré-sal retoma ações

O Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal está retomando atividades após as eleições. O objetivo do grupo é garantir que os recursos sejam revertidos em benefícios para o país. Os projetos de regulamentação do pré-sal deverão ser votados só em 2011. Lideranças pretendem pressionar deputados para que retirem os artigos 2, 10, 15 e 29 inseridos no substitutivo do Senado ao projeto da Câmara que trata do marco regulatório. Entre as lutas do grupo, está a de garantir que 100% do petróleo extraído proporcione benefícios ao país e não 40% como prevê o substitutivo.

“Temos que continuar em alerta. O pré-sal será a base para o desenvolvimento. Não queremos que haja desvio de recursos do petróleo por conta de royalties e, além disso, queremos ver qual será a qualidade da aplicação das verbas. Que o dinheiro não vá para a Copa do Mundo e Olimpíadas”, disse o delegado regional da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet) e membro do comitê, Raul Bergmann.

 

O comitê está retomando o contato com os deputados para tratar sobre o tema. As jazidas encontradas no país superam em seis vezes o volume das atuais. A expectativa é de que o faturamento seja de até 14 trilhões de dólares com o pré-sal. A atual reserva nacional de petróleo é de 14,2 bilhões de barris e garante a autossuficiência pelos próximos 15 anos. O país consome, em média, 800 milhões de barris por ano. Em 2008, o Brasil ocupava o 15 lugar no ranking mundial de produção de petróleo. Com as reservas do pré-sal, o país terá a quarta maior reserva do mundo, ficando atrás da Arábia Saudita, do Irã e do Iraque.

 

No Rio, a Usiminas lançou a pedra fundamental de seu centro de pesquisa, que demandará investimento de R$ 20 milhões e deverá estar em operação em 2012. O objetivo, segundo o vice-presidente de Negócios da Usiminas, Sergio Leite, é desenvolver tecnologias para a indústria naval e o petróleo, especialmente o pré-sal. “O carro-chefe no setor de óleo e gás nos próximos dez anos será o pré-sal. Queremos estar preparados”, disse Leite.

 

Correio do Povo, segunda-feira 15 de novembro de 2010, Ano 116, Nº 46, Porto Alegre (RS).
http://www.correiodopovo.com.br/Impresso/?Ano=116&Numero=46&Caderno=0&Noticia=222298

FUP intensifica luta para que a Refap volte a ser 100% Petrobrás

5 de novembro de 2010

Imprensa da FUP
05/11/2010

FUP intensifica luta para que a Refap seja 100% Petrobrás

A FUP e a oposição petroleira cutista do Rio Grande do Sul lançaram o movimento “Refap 100% Petrobrás” e propuseram aos deputados e senadores gaúchos do campo da esquerda a criação de uma Frente Parlamentar em defesa da retomada do controle integral da refinaria pela Petrobrás. No último dia 03, o presidente do PT do Rio Grande do Sul, Raul Pont, levou adiante a proposta dos petroleiros e lançou na Assembléia Legislativa do Estado a Frente Parlamentar pela Refap 100% Petrobrás. Na próxima semana, será realizada a primeira audiência pública, com a participação do coordenador da FUP, João Antônio de Moraes.

Desde que o governo tucano de FHC/Serra entregou 30% da refinaria à multinacional Repsol YPF, a FUP tem lutado pela reincorporação destes ativos para que a Refap volte a ser novamente 100% Petrobrás. Uma luta que começou no início dos anos 2000 com a campanha “Privatizar faz mal ao Brasil” e que prossegue através do Projeto de Lei 531/2009, proposto pelos movimentos sociais.

Vários investimentos da Petrobrás estão estrangulados em função da falta de interesse do acionista privado da Refap em levar adiante os projetos de modernização da refinaria. É o caso da obra já licitada de construção de instalações e infraestrutura para o tratamento do diesel, visando a redução dos níveis de enxofre. Orçada em R$ 1,6 bilhão, a obra, além de adequar a Refap às exigências da nova legislação ambiental, irá gerar cerca de quatro mil postos de trabalho, mas foi vetada no Conselho de Administração da refinaria pela Repsol YPF, que teve, recentemente, parte de seus ativos adquiridos pela chinesa Sinopec.

Continue lendo »


Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal prepara nova fase de mobilizações

5 de setembro de 2010

Correio do Povo
05 de setembro de 2010

Defesa do Pré-Sal está mobilizada

 

A Comissão Executiva do Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal está articulando mobilizações e elaborando um manifesto para tentar assegurar o fim dos leilões de petróleo e evitar a restituição em óleo dos royalties a serem pagos pelos consórcios. Na avaliação do delegado regional da Associação dos Engenheiros da Petrobras (AEPet), Raul Tadeu Bergmann, é preciso retirar os artigos 2, 10, 15 e 29 inseridos no substitutivo do Senado ao projeto de lei da Câmara que trata do marco regulatório do pré-sal. “No Senado, o projeto recebeu emenda que acrescentou o sistema de partilha na exploração. No entanto, já havia uma emenda do senador Pedro Simon que veda a compensação por royalties distribuídos”, disse.

A intenção é mobilizar entidades e instituições gaúchas para encaminhar um manifesto à Câmara após o processo eleitoral. O objetivo é assegurar que a totalidade do petróleo extraído proporcione benefícios ao país e não apenas 40%, como prevê o substitutivo ao projeto do Senado.

 

Bergmann afirmou que Simon apresentou três emendas em sintonia com as posições do comitê, entre elas a que suprime artigo introduzido na Câmara dos Deputados pelo parlamentar Henrique Alves (PMDB-RN), considerado “prejudicial aos interesses nacionais”. A iniciativa do deputado devolveria para as empresas exploradoras, em petróleo, os royalties pagos à União. O comitê sugere ainda a rejeição de emenda que transfere a propriedade de poços em terra da Petrobras para as empresas petroleiras.

 

Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal

Informativo do Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal

Outro acréscimo de Simon aos projetos do pré-sal determina o pagamento de compensação, com recursos da União, aos estados e municípios produtores prejudicados pela emenda que promove uma redistribuição dos royalties entre os estados brasileiros. Bergmann revelou que as jazidas encontradas são seis vezes maiores do que as atuais, com uma expectativa de faturamento no valor de até 14 trilhões de dólares. A meta do comitê é garantir a nacionalização do petróleo.

 

A apropriação destes recursos é considerada pelo presidente Lula a segunda independência do Brasil. Há um entendimento de que a receita seja direcionada a áreas que ampliem a cidadania e a soberania do país, como educação, pesquisa e inovação tecnológica, proteção ambiental, políticas de soberania alimentar e saúde pública.

Continue lendo »


Estudantes e sindicalistas fazem manifestação em defesa do pré-sal

24 de março de 2010

Correio do Povo

24/03/2010

Estudantes e sindicalistas fazem manifestação em defesa do pré-sal

Mônica Bidese

Correio do Povo
http://www.correiodopovo.com.br/

Porto Alegre - 24/03/2010 - Estudantes e sindicalistas fazem manifestação em defesa do pré-sal. Correio do Povo. Foto: Pedro Revillion

Estudantes e representantes de sindicatos foram o público principal da manifestação em defesa da nacionalização do petróleo e do pré-sal, nesta quarta-feira, em Porto Alegre. O quórum da passeata, que partiu do Instituto de Educação Flores da Cunha, da Escola Estadual Julio de Castilhos e da Universidade Estadual do Rio Grande Sul, foi de 250 pessoas, pelos cálculos da Brigada Militar. No percurso, até o Palácio Piratini, pelas avenidas João Pessoa, Osvaldo Aranha e Borges de Medeiros, ocorreram discursos favoráveis às mudanças no marco regulatório do petróleo, com distribuição da renda do pré-sal (os chamados royalties) a todos Estados, a aplicação dos recursos oriundos da camada de petróleo em áreas como educação, inovação tecnológica e meio ambiente, entre outros.

A Câmara dos Deputados já aprovou os projetos que mudam as normas para a exploração do petróleo, passando de concessões para a partilha, lembrou o coordenador do Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal, Ricardo Haesbaer, mas agora os projetos estão no Senado e por isso a mobilização. “Precisamos manter a pressão para vencermos mais esta luta e garantirmos mudanças no marco regulatório”, disse ele.

Estudantes e sindicalistas fazem manifestação em defesa do pré-sal. Porto Alegre, 24/03/2010. Correio do Povo. Foto: Pedro Revillion

http://multimidia.correiodopovo.com.br/
-

O ato causou transtornos aos motoristas que trafegavam em direção ao Centro. O trânsito ficou lento, especialmente na avenida João Pessoa, na direção bairro-Centro, mas nenhum incidente foi registrado. A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) e a Brigada Militar (BM) acompanharam a passeata e orientaram o trânsito.

O ato foi uma iniciativa do Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal, que reúne entidades empresariais, de trabalhadores e sociedade civil, e dos estudantes gaúchos, por meio da União Gaúcha dos Estudantes.

Porto Alegre - 24/03/2010 - Estudantes e sindicalistas fazem manifestação em defesa do pré-sal. Correio do Povo. Foto: Pedro Revillion

http://multimidia.correiodopovo.com.br/thumb.aspx?Caminho=multimidia/2010/03/24/59669.JPG&Tamanho=480&HW=1
-
http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=116245

O Pré-Sal é nosso! Ato público pela nacionalização do petróleo em Porto Alegre em 24/03/2010, contra a emenda Henrique Alves

22 de março de 2010

Sindipetro-RS

O Pré-Sal é nosso! Ato público pela nacionalização do petróleo, em Porto Alegre em 24/03/2010, contra a emenda Henrique Alves

Absurda emenda proposta pelo deputado Henrique Alves favorece as multinacionais petrolíferas e impede a nacionalização do petróleo do pré-sal!   Emenda permite que as empresas petrolíferas receberem de volta os royalties que pagaram!   Multinacionais petrolíferas que explorarem petróleo no brasil e pagarem royalties receberão de volta o valor pago em petróleo. Assim, o Brasil vai devolver para as empresas petrolíferas os royalties que estas tiverem pago!


É fundamental a presença de todos os aposentados na esquina democrática dia 24/3/10 no ato contra os leilões. Os estudantes em passeata sairão do Colégio Julinho às 10h carregando uma torre de petróleo até a esquina democrática.

Acredite, tua simples presença vai contribuir para respaldar o movimento. Compareça, participe e não se omita. É mais uma oportunidade dos petroleiros demonstrarem  sua inconformidade com esta maracutaia.

Cestari / Furlan

O ato é fundamentalmente contra os leilões, visto que, se eles continuarem, dentro do que foi aprovado na câmara, o petróleo produzido ficaria assim distribuído:

1) Empresa lider do consórcio (pode ser estrangeira) – fica com 49% do total

2) Petrobrás que a operadora e responsável pela produção: fica com 21% do total.

3) União Federal: fica com 29% do total.

Esse absurdo se deve à continuidade dos leilões, mas fundamentalmente, a uma emenda antinacional introduzida no projeto pelo relator, deputado Henrique Alves.

Diz a emenda Henrique Alves ao artigo 42 da proposta do Governo:

§ 2º Fica assegurado ao contratado sob o regime de partilha de produção a restituição, em óleo, dos valores dos royalties pagos.

Ou seja, ele recebe de volta, em petróleo, o royalty que pagar em reais. Ele não paga o royalty, quem o paga é a União.

Em tempo: se você quiser o detalhe do cálculo acima, seria o seguinte:

PREMISSAS:

a) continuidade dos leilões;

b) custo total do barril produzido no pré-sal: US$ 30

c) preço do barril no mercado internacional: US$ 70

d) consórcio oferece 70% do óleo lucro para o Governo e fica com 30%.

CÁLCULOS:

a) dividindo o custo de produção, US$ 30, pelo preço do barril, US$ 70, resulta em 43%. Ou seja, para cobrir o custo de produção se usa 43% de um barril, que fica com o consórcio; 1º valor em óleo para o consórcio: 43%.

b) Pela emenda Henrique Alves, o consórcio fica com mais 15% do óleo produzido. 2º valor em óleo para o consórcio: 15%

c) se o consórcio der 70% do óleo-lucro para a União, ele fica com 30%, ou seja, 30%(100-43-15)=12,6%. Terceiro valor: 12,6%

Resumo: o consórcio fica com 43+15+12,6 = 70,6%.

Desse valor, 30% são da Petrobrás como operadora, ou seja, cerca de 21%.

A União fica com 100-70,6 = 29,4%.

Petrobrás 100% Estatal O  Pré-sal é Nosso


“O Brasil e o Pré-sal” – Sérgio Gabrielli discute o Novo marco regulatório no terceiro painel

4 de dezembro de 2009

http://www.al.rs.gov.br/

Agência de Notícias da Assembléia Legislativa do RS

04/12/2009

SEMINÁRIO O BRASIL E O PRÉ-SAL

Novo marco regulatório é apresentado no terceiro painel

Neiva Alves – MTB 6064

Letícia Rodrigues  – Edição – MTB 9373

Foto: Marcelo Bertani / Ag. AL

Gabrielli explicou as formas de exploração da camada do pré-sal

Gabrielli explicou as formas de exploração da camada do pré-sal

O painel “A Geopolítica do Petróleo e a Distribuição dos Dividendos do Pré-Sal”, que tem como expositor o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, está em desenvolvimento no Teatro Dante Barone, onde hoje (4) ocorre o Seminário O Brasil e o Pré-Sal: Uma nova perspectiva para o País e para o Rio Grande do Sul.

Gabrielli está fazendo uma exposição técnica sobre a camada do pré-sal, suas dimensões e capacidade de reservas. “Tudo leva a crer que o número de petróleo no pré-sal é um número muito grande, mas não podemos precisar. Temos um índice de sucesso exploratório de 87%, que é o triplo do índice mundial”. Ele disse que os testes realizados pela empresa são extraordinários. “Testes de curto prazo mostram que em apenas uma área, como a de Guará, é possível obter 50 mil barris de óleo recuperável por dia em apenas um poço”. Falando em termos estimativos, o presidente da Petrobras afirma que a camada pré-sal abriga algo em torno de 10 a 16 bilhões de barris.

Sobre as formas de exploração, conforme o novo marco regulatório, ele informou que o governo brasileiro está optando pela forma partilhada de produção, onde a empresa vencedora de licitação vai passar ao governo o lucro-óleo da extração. “A Petrobras, empresa que tem maior tecnologia de exploração em águas profundas no mundo, será a operadora, ou seja, irá aprovar e escolher as tecnologias e formas de exploração”.

http://www.al.rs.gov.br/

Mais notícias da Assembléia Legislativa do RS sobre o terceiro painel do Seminário “O Brasil e o Pré-Sal”:

Presidente da Petrobrás diz que riqueza deve ser explorada de maneira adequada

Debate sobre a democratização dos dividendos do Pré-sal encerra seminário na AL


“O Brasil e o Pré-sal” – Segundo Painel destaca importância do modelo de Partilha

4 de dezembro de 2009

http://www.al.rs.gov.br/

Agência de Notícias da Assembléia Legislativa do RS

04/12/2009

SEMINÁRIO O BRASIL E O PRÉ-SAL

Painel destaca importância do modelo de partilha

Claudia Paulitsch –   MTB 9095

Letícia Rodrigues   – Edição  – MTB 9373

Foto: Marcos Eifler / Ag AL

Parlamentares debateram o Pré-sal no painel

Parlamentares debateram o Pré-sal no painel

No segundo painel do seminário O Brasil e o Pré-sal – Uma nova perspectiva para o País e o Rio Grande do Sul, na tarde desta sexta-feira (4), no Teatro Dante Barone da Assembleia, o presidente do Parlamento, Ivar Pavan (PT), manifestou-se sobre importância do modelo de partilha para a sociedade brasileira. No atual modelo, a maior fatia da riqueza fica para poucas empresas, ponderou. Conforme a Constituição Federal, trata-se de uma riqueza da Nação.

Após a definição do marco regulatório, outro aspecto importante será definir critérios para o destino dos recursos da exploração do Pré-sal, em investimentos importantes, acrescentou Pavan. Segundo o presidente, não deve haver entendimento de que será apenas um agregado aos orçamentos, mas uma riqueza a ser investida estrategicamente para colocar o país num patamar desenvolvimento de primeiro mundo.

Pavan manifestou-se sobre a importância dos debates ser proporcionados pelos Legislativos brasileiros, pois a sociedade precisa participar da discussão. “Trata-se de definir qual o modelo de desenvolvimento que queremos construir”.

O deputado federal Henrique Fontana (PT/RS) afirmou que o desafio é transformar a riqueza natural em riqueza social. “Tem gente no Congresso que não quer votar a partilha, quer manter o sistema de concessão”.

Duplicação

O deputado federal Beto Albuquerque (PSB/RS), ressaltou que o Pré-sal permitirá duplicar a capacidade de reserva e exploração brasileira. “Vamos fortalecer a economia nacional na política de partilha”. Ressaltou também que o pré-sal é uma riqueza que deve ser de todos brasileiros. Além disso, parte dos recursos oriundos desta riqueza devem ser investidos em políticas para o meio ambiente e inovação tecnológica, acrescentou o parlamentar. Por fim, mencionou a importância de se pensar em energias renováveis no País.

De acordo com o deputado federal Fernando Marroni (PT/RS), o governo teve a grande ideia de propor a criação de uma empresa pública, a Petrosal. “Reestatizar a Petrobras é um sonho dos brasileiros”, ponderou. Ainda manifestou-se sobre a importância do Fundo Social para que a sociedade possa se apropriar da riqueza. E o Pré-sal aumenta o desafio do ponto de vista da matriz industrial, complementou o deputado.

O deputado estadual Alberto Oliveira (PMDB) chamou a atenção, igualmente aos outros debatedores, para a importância da discussão sobre a distribuição dos royaltes, que deve favorecer toda a Nação. O painel foi mediado por Carlos Cini Marchionatti, presidente da Ajuris.

http://www.al.rs.gov.br/
-

 

Mais notícias da Assembléia Legislativa sobre a segunda parte do Seminário “O Brasil e o Pré-Sal”:

Pavan propõe reflexão sobre o significado do Pré-sal para a sociedade brasileira


“O Brasil e o Pré-sal” – Primeiro Painel discute impacto do pré-sal na cadeia produtiva industrial regional

4 de dezembro de 2009

http://www.al.rs.gov.br/

Agência de Notícias da Assembléia Legislativa do RS

04/12/2009

SEMINÁRIO O BRASIL E O PRÉ-SAL

Ciclo econômico do Pré-sal pode favorecer a indústria gaúcha

Michele Limeira – MTB: 9733 | Agência de Notícias

Letícia Rodrigues – Edição – MTB 9373

Foto: Marco Couto / Ag AL

Painel discutiu o papel das empresas brasileiras e o potencial na indústria

Painel discutiu o papel das empresas brasileiras e o potencial na indústria

Os participantes do primeiro painel do seminário O Brasil e o Pré-sal – Uma nova perspectiva para o país e o Rio Grande do Sul avaliaram o Pré-sal como “grande desafio” que se apresenta ao Brasil. No debate, realizado esta manhã (4), no Teatro Dante Barone, da Assembleia Legislativa, os painelistas reconheceram o potencial e os diferenciais da indústria gaúcha, que pode se beneficiar do novo ciclo econômico que se desenha. O evento continua à tarde, com mais dois painéis. O presidente do Legislativo, deputado Ivar Pavan (PT), é o expositor do primeiro deles. Em seguida, o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, tratará sobre a geopolítica do petróleo. Às 15h, Gabrielli concede entrevista coletiva à imprensa.

O plano de investimentos da Petrobrás, projetado para 2009 a 2013, é de U$ 174,4 bilhões, representando cerca de U$ 30 bilhões ao ano. Os números foram avaliados pelos painelistas como oportunidade para a indústria gaúcha, porém ressaltaram que existem desafios a serem superados. Segundo o expositor do painel “O papel das empresas brasileiras e o impacto na indústria”, Marcus Coester, coodenador do Comitê de Competitividade de Petróleo e Gás da Fiergs e vice-presidente da ABIMAQ, em 2008, o valor de compras da Petrobrás foi de U$ 45,2 bilhões, sendo que a participação no Estado como fornecedor ainda é baixa. “Em bens, o RS foi responsável por 1,31% das compras realizadas pela Petrobrás. Nas contratações de serviços, a participação ficou em 0,88%”, exemplificou Coester. Na sua avaliação, esses números precisam crescer e o Comitê da Fiergs trabalha com esse objetivo.

Os diferenciais da indústria gaúcha podem contribuir para avanços nesta área. Diversificação, fabricação de produtos especiais, programas de qualidade, tecnologia e pesquisa de ponta e mão de obra qualificada foram as características apontada por Coester. O vice-presidente da Fiergs, Humberto Busnello, destacou a “forte cultura empreendedora” como o principal representante do potencial dos gaúchos. “A indústria gaúcha precisa aproveitar o orçamento da Petrobrás”, frisou, lembrando que para isso é necessário “eliminar alguns gargalos”. Busnello considera necessário desonerar os investimentos para garantir a competitividade. “Precisamos de condições para que as empresas tenham desenvolvimento tecnológico”, pontuou.

“Taxar investimentos é desfavorável para competitividade”, avaliou o presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, Álvaro Alves Teixeira. Para os painelistas, na questão do custo Brasil está um dos principais desafios à indústria. O coordenador do Comitê da Fiergs, Marcus Coester, explicou que para enfrentar o mercado internacional competitivo é preciso desonerar os investimentos, enfrentar a guerra fiscal e as dificuldades da isonomia da indústria gaúcha, criar programas de financiamento competitivos em nível nacional, desenvolver o marco legal, a certificação de empresas e a cadeia produtiva, dentre outros aspectos.

Classificado como “bênção para o Brasil”, o Pré-sal, segundo o presidente da Fundação de Economia e Estatística, Adelar Fochezatto, pode impactar sobre o desenvolvimento da indústria. “Os principais efeitos seriam sobre os setores diretamente ligados a cadeia produtiva do petróleo, de máquinas e equipamentos, produtos químicos, transporte, serviços industriais de utilidade pública, como energia e saneamento”, analisou.

Tecnologia

O desenvolvimento de novas tecnologias também é um dos aspectos que se sobressaiu no debate desta manhã. Segundo Marcus Coester, a Petrobrás tem tecnologia exclusiva para o desenvolvimento de pesquisas sobre o Pré-sal, o que é avaliado como uma vantagem com relação a outros países, assim como a situação do Brasil em relação à geopolítica do Atlântico Sul.

Segundo ele, as inovações tecnológicas implicam em desenvolvimento econômico, que gera desenvolvimento humano, capaz de tornar as pessoas mais criativas e inovadoras. “É um ciclo necessário para que tenhamos uma sociedade desenvolvida”, explicou.

Coester avaliou que a automação é um considerada um dos principais desafios a serem superados para viabilizar a instalação de plataformas a 300 quilômetros da costa, como exigirá a exploração da camada pré-sal.

Energia

O presidente da Fundação de Economia e Estatística, Adelar Fochezatto, reforçou a importância de investimentos em tecnologia e pesquisas e alertou para a transição pela qual passa o atual sistema energético. “Temos que ser inteligentes para não ficarmos reféns da matriz energética do petróleo”, observou. Fochezatto chamou a atenção para o desenvolvimento de uma matriz baseada na energia limpa. “O futuro passa pelas fontes de energia e sustentabilidade ambiental”, sublinhou.

Promoção

O Seminário é uma promoção da Petrobrás, organizado pela Revista Voto, com apoio institucional da Assembleia Legislativa e do Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal.

http://www.al.rs.gov.br/

Mais notícias da Assembléia Legislativa sobre a primeira parte do Seminário “O Brasil e o Pré-Sal”:

Pavan propõe reflexão sobre o significado do Pré-sal para a sociedade brasileira

Indústria gaúcha deve se preparar para fornecer suporte à exploração em alto-mar


Presidente da Petrobras participa de seminário sobre pré-sal em Porto Alegre

3 de dezembro de 2009

http://www.agenciapetrobrasdenoticias.com.br/

3/12/2009

Presidente da Petrobras participa de seminário sobre pré-sal em Porto Alegre

Imagem: AGÊNCIA PETROBRAS

O presidente de Petrobras, José Sergio Gabrielli de Azevedo, participa nesta sexta-feira (04/12), em Porto Alegre, do seminário O Brasil e o pré-sal – Uma nova perspectiva para o País e o Rio Grande do Sul. O evento representa o primeiro grande debate sobre o tema no estado gaúcho e ocorrerá no Teatro Dante Barone da Assembléia Legislativa (Praça Marechal Deodoro, 101, 1º andar, Centro).

Gabrielli estará presente na plenária A geopolítica do petróleo e a distribuição dos dividendos do pré-sal a partir das 16h. Após o debate, o presidente da Petrobras concederá coletiva de imprensa no local.

Mais informações e a programação completa do seminário O Brasil e o Pré-sal – Uma nova perspectiva para o País e o Rio Grande do Sul estão disponíveis no site http://www.revistavoto.com.br

Serviço

Seminário: “O Brasil e o pré-sal – Uma nova perspectiva para o País e o Rio Grande do Sul”

Data: 04 de dezembro de 2009

Horário: 8h30 às 18h

Local: Teatro Dante Barone da Assembleia Legislativa do RS – Praça Marechal Deodoro, 101, 1º andar, Centro, Porto Alegre/RS

Acompanhe a participação do presidente da Petrobras no seminário em Porto Alegre.

A Agência Petrobras de Notícias fará a transmissão ao vivo do evento.

http://www.agenciapetrobrasdenoticias.com.br/

Programação do Seminário: “O Brasil e o Pré-Sal” em Porto Alegre

3 de dezembro de 2009

http://www.revistavoto.com.br/
Revista Voto
24/11/2009

Programação: O Brasil e o Pré-Sal

Data: 4 de Dezembro

Local: Teatro Dante Barone – Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul

ABERTURA: O Novo Marco Regulatório do Petróleo

Horário: Das 8:30 às 10:00

Palestrante: Dilma Rousseff (Ministra-chefe da Casa Civil) – (A CONFIRMAR)

Integrantes da mesa oficial de abertura do evento:

Karim Miskulin (Diretora da Revista VOTO)

José Fogaça (Prefeito de Porto Alegre)

Jorge Gerdau (Presidente do Conselho do Grupo Gerdau)

José Antônio Cairolli (Presidente da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil)

Paulo Tigre (Presidente da Fiergs)

Ivar Pavan (Presidente da Assembleia Legislativa do RS)

Yeda Rorato Crusius (Governadora do Rio Grande do Sul)

PAINEL 1: O Papel das Empresas Brasileiras e o Impacto na Indústria

Horário: Das 10:15 às 12:00

Expositor: Marcus Coester (vice-presidente da ABIMAQ e representante do Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal)

Mediação: Artur Lorentz (Secretário de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul)

Painelistas:

Humberto Busnello (vice-presidente da Fiergs)

João Carlos de Luca (Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis)

Adelar Fochezatto (Presidente da Fundação de Economia e Estatística)

INTERVALO PARA ALMOÇO: 12:30

PAINEL 2: – O Papel do Congresso Nacional Frente ao Marco Regulatório

Horário: Das 14:00 às 16:00

Expositor: Ivar Pavan (Presidente da Assembleia Legislativa do RS)

Mediação: Carlos Cini Marchionatti (Presidente da Ajuris)

Painelistas:

Beto Albuquerque (Deputado Federal)

Henrique Fontana (Deputado Federal)

Onyx Lorenzoni (Deputado Federal)

Alberto Oliveira (Deputado Estadual)

Fernando Marroni (Deputado Federal)

Coffe break: 16:00 às 16:15

PAINEL 3: – A Geopolítica do Petróleo e a Distribuição dos Dividendos do Pré-Sal

Horário: Das 16:15 às 18:00

Expositor: José Sergio Gabrielli (Presidente da Petrobras)

Mediador: Marco Maia (Vice-presidente da Câmara dos Deputados)

Painelistas:

Dorval Bráulio Marques (Desembargador Diretor de Relações Institucionais da Associaçao dos Juízes do RS)

José Antônio Cairolli (Presidente da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil)

Edson Menezes da Silva (Chefe de assessoria técnica da diretoria geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis)

Encerramento: 18:00

* Programação sujeita a alteração de painelistas convidados.

http://www.revistavoto.com.br/

Dilma estará em Porto Alegre para seminário sobre Pré-Sal

24 de novembro de 2009

http://www.revistavoto.com.br/

Revista Voto

24/11/2009

Dilma estará em Porto Alegre para seminário sobre Pré-Sal

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, estará no dia 4 de dezembro em Porto Alegre para o primeiro grande debate sobre o PRÉ- SAL no Estado. Na ocasião, a Revista VOTO promoverá o SEMINÁRIO O BRASIL E O PRÉ-SAL – Uma nova perspectiva para o País e o Rio Grande do Sul.

No seminário, serão apresentados aspectos geopolíticos e econômicos, com destaque à importância para o Brasil, perspectivas e benefícios que a participação das empresas e da nova Estatal trará aos Estados e à população do país.

O evento irá acontecer no Teatro Dante Barone da Assembleia Legislativa e também terá a presença do Presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, entre outras autoridades.

O Rio Grande do Sul é o terceiro Estado a promover o Seminário. O evento tem o apoio da Assembleia Legislativa/RS e do Comitê Gaúcho em Defesa do PRÉ-SAL.

Serviço:
O quê? Seminário “O Brasil e o Pré-Sal: Uma nova perspectiva para o País e para o Rio Grande do Sul”
Quando? 04/12/2009, das 8h30 as 18h
Onde? Teatro Dante Barone – Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul.
Quem? Ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, e o Presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, além de autoridades políticas e empresariais.

Programação:   “O Brasil e o Pré-Sal”

Data: 4 de Dezembro

Local: Teatro Dante Barone – Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul

ABERTURA: O Novo Marco Regulatório do Petróleo

Horário: Das 8:30 às 10:00

Palestrante: Dilma Rousseff (Ministra-chefe da Casa Civil)

Integrantes da mesa oficial de abertura do evento:

Karim Miskulin (Diretora da Revista VOTO)

José Fogaça (Prefeito de Porto Alegre)

Jorge Gerdau (Presidente do Conselho do Grupo Gerdau)

Paulo Tigre (Presidente da Fiergs)

Armínio José de Abreu (Presidente do Tribunal de Justiça do RS)

Ivar Pavan (Presidente da Assembleia Legislativa do RS)

Yeda Rorato Crusius (Governadora do Rio Grande do Sul)

PAINEL 1: O Papel das Empresas Brasileiras e o Impacto na Indústria

Horário: Das 10:15 às 12:00

Expositor: Marcos Coester (vice-presidente da ABIMAQ e representante do Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-Sal)

Mediação: Berfran Rosado (Sec. do Meio Ambiente do Rio Grande do Sul)

Painelistas:

Humberto Busnello (vice-presidente da Fiergs)

João Carlos de Luca (Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis)

Henrique Fontana (Deputado Federal)

Adelar Fochezatto (Presidente da Fundação de Economia e Estatística)

INTERVALO PARA ALMOÇO: 12:30

PAINEL 2: – O Papel do Congresso Nacional Frente ao Marco Regulatório

Horário: Das 14:00 às 16:00

Expositor: Ivar Pavan (Presidente da Assembleia Legislativa do RS)

Mediação: Carlos Cini Marchionatti (Presidente da Ajuris)

Painelistas:

Germano Bonow (Deputado Federal)

Beto Albuquerque (Deputado Federal)

Fernando Marroni (Deputado Federal)

Pedro Simon (Senador)

Coffe break: 16:00 às 16:15

PAINEL 3: – A Geopolítica do Petróleo e a Distribuição dos Dividendos do Pré-Sal

Horário: Das 16:15 às 18:00

Expositor: José Sergio Gabrielli (Presidente da Petrobras)

Mediador: Marco Maia (Vice-presidente da Câmara dos Deputados)

Painelistas:

Airton Piccetti (Presidente do BRDE)

Yeda Rorato Crusius (Governadora do Rio Grande do Sul)

Luiz Henrique da Silveira (Governador do Estado de Santa Catarina)

Dorval Bráulio Marques (Desembargador Diretor de Relações Institucionais da Associaçao dos Juízes do RS)

Encerramento: 18:00

Revista Voto

http://www.revistavoto.com.br/

AUDIO: Pavan entrega a Lula manifesto a favor do Pré-Sal de todos

21 de setembro de 2009

http://www2.al.rs.gov.br/radioassembleia/DetalhesdaMat%C3%A9ria/tabid/391/IdMateria/445/Default.aspx
Rádio da Assembléia Legislativa do estado do Rio Grande do Sul
21/09/2009
VISITA PRESIDENCIAL

Pavan entrega a Lula manifesto a favor do Pré-Sal de todos

Fabrício Sales

Acesse o audio em formato mp3:

audio

http://www.al.rs.gov.br/RadioWebArquivos/2009/09/audio0445.mp3
Repórter:  Fabrício Sales

http://www2.al.rs.gov.br/radioassembleia/DetalhesdaMat%C3%A9ria/tabid/391/IdMateria/445/Default.aspx

Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-sal tem encontro com Lula

17 de setembro de 2009

http://www2.al.rs.gov.br/RadioAssembleia/DetalhesdaMat%E9ria/tabid/391/IdMateria/431/Default.aspx

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO RIO GRANDE DO SUL

17/09/2009

PRÉ-SAL

Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-sal tem encontro com Lula

Fabrício Sales


O Comitê gaúcho em defesa do pré-sal faz reunião ordinária no Piquete BR-Petrobrás do Acampamento Farroupilha nesta quinta-feira. Haverá projeção do documentário educativo “O Petróleo tem que ser nosso – A Última Fronteira” produzido pelo Comitê do Rio de Janeiro”. O boletim “O Pré-sal é nosso”, editado pela AL, também será distribuído. Nesta sexta-feira o comitê entregará o Manifesto Gaúcho em Defesa do Pré-sal ao presidente Lula que chegará ao estado às 09h 30min para anunciar o início das obras da Rodovia do Parque.

Repórter: Fabrício Sales

http://www2.al.rs.gov.br/RadioAssembleia/DetalhesdaMat%E9ria/tabid/391/IdMateria/431/Default.aspx

Monte seu comitê da Campanha O Petróleo Tem que Ser Nosso!

1 de setembro de 2009

http://www.apn.org.br/apn/index.php?option=com_content&task=view&id=1250&Itemid=1

Agência Petroleira de Notícias

Atualizado  em   01/09/2009

Monte seu comitê da Campanha O Petróleo Tem que Ser Nos so!

[Passo-a-passo para montar o comitê da campanha do petróleo]

A Campanha O Petróleo Tem que Ser Nosso! já é uma realidade no cenário político do país. Depois de ganhar visibilidade e o apoio de diversos movimentos sociais, entidades, partidos políticos e diferentes segmentos da sociedade, a Campanha está pronta para decolar e se materializar no dia-a-dia das lutas dos brasileiros, ampliando seu campo de ação para cada bairro, escola, associação, local de trabalho e muitos outros. Para isso, é preciso que a disposição de luta de cada integrante da Campanha se concretize através da criação de seus comitês, que são o principal instrumento para fortalecê-la e ampliá-la. Essa consciência sobre o papel fundamental dos comitês vem crescendo entre os apoiadores da Campanha. O resultado é que a demanda por orientações para sua criação não pára de crescer. Por isso, apresentamos, abaixo, os principais passos para a formação dos comitês da Campanha O Petróleo Tem que Ser Nosso! Mãos à obra!

* Os comitês da Campanha O Petróleo Tem Que Ser Nosso podem ser municipais ou zonais, dependendo da especificidade de cada local.

1º passo: realizar uma reunião na região do futuro comitê para criá-lo. Essa reunião deve envolver os interessados em impulsionar a Campanha naquele local e organizar a distribuição do kit de materiais para o futuro comitê.

2º passo: contactar a comitê operativo do Fórum contra a Privatização do Petróleo e Gás do Rio (Sindipetro-RJ [3852-0148] ou Agência Petroleira de Notícias [Fátima Lacerda – 9949-1843, João Leal – 9963-3670, Valdeci Bastos – 9110-9008 ou Rafael 7866-2630]) informando a data da reunião para receber auxílio na atividade, agendamento da criação do comitê e encaminhamento dos materiais da campanha.

3º passo: contatar pessoas e movimentos da região interessados em ingressar na Campanha, assim como divulgar a criação do comitê para o conjunto da população local.

4º passo: a partir da criação do comitê, organizar como primeira atividade a exibição com debate do documentário O Petróleo Tem que Ser Nosso – Última Fronteira (sugestão da Campanha para primeira atividade do comitê). Esse debate deve apresentar o projeto de lei do movimento social para tratar do petróleo brasileiro, diferenciando-o da proposta do Governo Federal e do atual modelo entreguista.

5º passo: cada comitê deve indicar três representantes para interlocução com a coordenação estadual da campanha O Petróleo Tem que Ser Nosso.

6º passo: discutir nas reuniões propostas para a realização de atividades do comitê, como debates em escolas, panfletagens em locais movimentados, coletas de assinaturas pelo projeto de lei do petróleo dos movimentos sociais, entre outras idéias. É importante que o comitê tenha uma constância de atividades. A realização de audiências públicas nas Assembléias Legislativas e nas Câmaras de Vereadores, assim como a aprovação nessas casas legislativas de moções de apoio à campanha e ao projeto de lei “O Petróleo Tem que Ser Nosso”, são ações muito importantes.

7º passo: manter estreito diálogo com a coordenação estadual da campanha para saber das novidades no cenário geopolítico do petróleo, das mobilizações e orientações estaduais e nacionais.

8º passo: ter sempre em mente a ampliação da campanha O Petróleo Tem que Ser Nosso. Convidar sempre novas pessoas, entidades e movimentos para participar dessa luta. Insistir com aqueles que já foram convidados mas ainda não compareceram.

9º passo: registro das atividades. Fotografe, filme, escreva sobre as reuniões, panfletagens e atividades em geral do comitê. Registrar as ações da campanha é muito importante para documentação histórica e para que todo mundo saiba que a luta em defesa do petróleo está existindo no Brasil inteiro. Mande as fotos e matérias para serem disponibilizadas na página da campanha.

10º passo: mantenha-se sempre informado pela página da Agência Petroleira de Notícias ou ligando para o comitê estadual da campanha O Petróleo Tem que Ser Nosso (Sindipetro-RJ [3852-0148] ou Agência Petroleira de Notícias [Fátima Lacerda – 9949-1843, João Leal – 9963-3670, Valdeci Bastos – 9110-9008 ou Rafael 7866-2630]). Acesse: www.apn.org.br

http://www.apn.org.br/apn/index.php?option=com_content&task=view&id=1250&Itemid=1


Instalado o Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-sal

15 de julho de 2009

http://www.al.rs.gov.br/ag/NOTICIAS.ASP?txtIDMATERIA=230441&txtIdTipoMateria=1

Assembléia Legislativa do estado do Rio Grande do Sul

Agência de Notícias
15/07/2009

Instalado o Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-sal

Walmaro Paz

Edição: Jussara Marchand

Foto: Marco Couto / Ag AL

Campanha em defesa da camada pré-sal mobiliza os gaúchos
Campanha em defesa da camada pré-sal mobiliza os gaúchos
O Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-sal foi instalado nesta manhã (15), na sala do Fórum Democrático, em cerimônia coordenada pelo presidente da Casa deputado Ivar Pavan (PT). Participaram do evento representantes das entidades  que compõem o Comitê, entre essas a Associação dos Juízes do RS (Ajuris), Associação de Engenheiros da Petrobras (Aepet) e centrais  sindicais, entre outras.
O Comitê é formado por representações de 31 entidades. O Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-sal  começou a constituir-se em audiência pública realizada no dia 18 de maio, no Plenarinho da AL.
A camada pré-sal é um gigantesco reservatório de petróleo e gás natural, localizada abaixo da camada de sal, entre 5 e 7 mil metros na área oceânica correspondente aos estados de Santa Catarina e o Espírito Santo. As reservas foram formadas há cerca de 100 milhões de anos, a partir da separação da Africa e da América. Sua dimensão é de 800 quilômetros de extensão por 200 quilômetros de largura, com previsão estimada para produzir 80 bilhões de barris. A camada pré-sal pode colocar o Brasil na quarta posição no ranking dos países exportadores de petróleo.
Segundo a Aepet, esta reserva é a maior existente em termos de combustível fóssil que servirá como fonte de energia ainda por muitos anos, ao lado dos biocombustíveis. A riqueza gerada por sua exploração permitirá o desenvolvimento de fontes de energia alternativa para o país.

Assembléia Legislativa do estado do Rio Grande do Sul

http://www.al.rs.gov.br/ag/NOTICIAS.ASP?txtIDMATERIA=230441&txtIdTipoMateria=1

Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-sal será instalado nesta quarta

10 de julho de 2009

http://www.al.rs.gov.br/ag/NOTICIAS.ASP?txtIDMATERIA=230236&txtIdTipoMateria=1

Assembléia Legislativa do estado do Rio Grande do Sul

Agência de Notícias
10/07/2009

Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-sal será instalado nesta quarta

Wálmaro Paz

Edição: Jussara Marchand

O Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-sal será instalado oficialmente na próxima quarta (15), às 10 horas, na sala do Fórum Democrático da Assembleia Legislativa. A solenidade será coordenada pelo presidente da Casa , deputado Ivar Pavan (PT), e terá a presença de entidades da sociedade civil apoiadoras do movimento. Na ocasião será lançado o primeiro boletim da campanha O Pré-sal é Nosso que terá periodicidade mensal

Campanha em defesa da camada pré-sal mobiliza os gaúchos

Campanha em defesa da camada pré-sal mobiliza os gaúchos
Foto: Divulgação

O movimento em defesa da camada pré-sal nasceu em 2008 com a publicação de uma cartilha, liderado pela Associação dos Engenheiros da Petrobrás (AEPET), Associação de Juízes do RS ( Ajuris), Ordem dos Advogados do Brasil, seção do Rio Grande do Sul (OAB/RS) e outras entidades da sociedade gaúcha. No dia 18 de maio deste ano foi criado o Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-sal, durante audiência pública solicitada pela Ajuris, na Assembleia Legislativa. Trinta entidades aderiram ao movimento e ao Comitê que será instalado oficialmente na próxima semana.

O que é o Pré-sal

A camada pré-sal é um gigantesco reservatório de petróleo e gás natural, localizada abaixo da camada de sal, entre 5 e 7 mil metros na área oceânica correspondente aos estados de Santa Catarina e o Espírito Santo. As reservas foram formadas há cerca de 100 milhões de anos, a partir da separação da Africa e da América. Sua dimensão é de 800 quilômetros de extensão por 200 quilômetros de largura, com previsão de 80 bilhões de barris, equivalente a R$ 18 trilhões. A camada pré-sal pode colocar o Brasil na quarta posição no ranking dos países exportadores de petróleo.

Segundo a AEPET, esta reserva é a maior existente em termos de combustível fóssil que servirá como fonte de energia ainda por muitos anos, ao lado dos biocombustíveis. A riqueza gerada por sua exploração permitirá o desenvolvimento de fontes de energia alternativa para o país.

Um novo marco regulatório

O presidente da Assembleia Legislativa, Ivar Pavan entende que é preciso criar-se um novo marco regulatório. A lei em vigor ( Lei 9478/1997) pode colocar a maior parte dessa riqueza nas mãos de investidores estrangeiros e especuladores. “Por isso é urgente a criação de um novo marco regulatório tornando esta riqueza de propriedade do povo brasileiro”, enfatiza o presidente do Legislativo.

O Comitê funcionará como impulsionador de uma campanha para que este novo marco seja estabelecido. Para isto está havendo o esclarecimento da população, a participação da sociedade civil e o engajamento de todos os legislativos brasileiros. Na quinta (9), o deputado Ivar Pavan fez uma palestra na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, motivando a criação de um comitê naquele estado e obtendo a adesão dos parlamentares catarinenses a um documento que será entregue ao presidente Lula, ainda em 2009.

Entidades que integram o Comitê Gaúcho em Defesa do Pré-sal:

* Associação dos Juízes do RS (Ajuris)

* Associação do Ministério Público do RS,

* Associação dos Defensores Públicos do RS,

* Ordem dso Advogados do Brasil ( OAB/RS),

* Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura do RS (CREA-RS),

* Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho 4ª região ( Amatra),

* Associação dos Membros do Tribunal de Contas ( Atricon),

* Sociedade de Economia do RS ( Socecon/RS),

* Associação Riograndense de Imprensa (ARI),

* Central Única dos Trabalhadores ( CUT/RS),

* Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil ( CTB),

* Força Sindical,

* Sindicato dos Trabalhadores na Industria do Petróleo ( Sindipetro/RS),

* Fed. dos Trabalhadores Aposentados e Pensionistas do RS ( FETAPERGS),

* Sindicato dos Economistas do RS,

* Sind. Dos Trab. No Comércio de Minérios e Derivados de Petróleo do RS,

* Associação dos Engenheiros da CEEE (AECEE),

* Sindicato dos Administradores do RS,

* POATV – Canal da Comunidade,

* Conselho Regional de Educação Física do RS ( CREF),

* Associação dos Engenheiros da Petrobrás (AEPET),

* Confederação Nacional das Associações de Moradores ( Conam),

* Federação Gaúcha das Associações de Moradores ( Fegam),

* União Nacional de Estdauntes (UNE),

* União Brasileira de Estudantes Secundaristas (UBES),

* Nação Hip-hop Brasil,

* Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB/RS),

* Fórum dos Conselhos,

* Assembleia Legislativa do Estado do RS

http://www.al.rs.gov.br/ag/NOTICIAS.ASP?txtIDMATERIA=230236&txtIdTipoMateria=1

%d blogueiros gostam disto: