Pré-Sal traz oportunidades para empresas de Tecnologia da Informação

10 de maio de 2011

Convergência Digital
10/05/2011

Petrobras: Pré-Sal traz oportunidades para empresas de TI

Atenta ao orçamento de U$ 600 bilhões da Petrobras, somente para o Pré-Sal, nos próximos 20 anos, e às oportunidades de negócios geradas para o setor de Tecnologia da Informação, a Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação (Assespro-RJ) promove no dia 6 de junho o seminário “Competitividade da Cadeia de O&G e o papel da TIC”.

Na oportunidade, a Assespro-RJ entregará à Petrobras e à Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip) uma proposta de modelo de trabalho chamada “Ecossistema”, com um cluster de 22 empresas com competências para atender a toda a cadeia produtiva do Pré-Sal, desde a criação de soluções, inteligência do projeto, instrumentalização e demais demandas.

Já confirmaram presença o gerente-executivo do Pré-Sal, José Carlos Fomigli; o assessor da Presidência da Petrobras, Sydney Granja; e o superintendente da Onip, Eloy Fernandez. A expectativa é de que 300 pessoas, entre executivos e profissionais da cadeia produtiva de petróleo e gás, participem do evento realizado pela Assespro-RJ com o apoio da Petrobras, Sebrae-RJ e Onip.

O seminário “Competitividade da Cadeia de O&G e o papel da TIC” acontece das 13h30 às 17h30, no Centro de Convenções da Firjan-RJ. O gerente da Petrobras para o Pré-Sal, José Formigli, vai apresentar os planos de investimento para o projeto e as demandas para a cadeia produtiva voltadas para as empresas de TIC.

Continue lendo »


O robô ambiental híbrido “Chico Mendes” da Petrobrás

4 de maio de 2011

Diário do Pré-Sal

A robótica a serviço do desenvolvimento sustentável: o robô ambiental híbrido “Chico Mendes” da Petrobrás

No Norte do Brasil, um robô inovador é parte do projeto de monitoramento ambiental do gasoduto Coari-Manaus de cerca de 700km de extensão, que percorre 400 km às margens do rio Solimões, passando por regiões de mata fechada ou alagada, onde o homem não pode chegar.

A solução encontrada pelo engenheiro Ney Robinson e sua equipe, do Laboratório de Robótica Submarina da Petrobras, no Rio de Janeiro, foi o desenvolvimento de um robô ambiental híbrido – que pode andar na água, na terra ou no pântano -, que foi batizado de “Chico Mendes”.

Com 1,50m de comprimento, 2,20m de largura e 1,20m de altura, 115kg, a sua função, inicialmente, era só recolher e medir os parâmetros físico-químico da água (turbidez, condutividade, salinidade, pH e oxigênio dissolvido), para que depois essas características pudessem ser analisadas e comparadas com as amostras anteriores. Mas o projeto ganhou dimensões maiores e o robô passou a colher amostras, fotografar e enviar imagens de larvas de mosquitos, além de captar sons da floresta e do fundo do rio.

O projeto atual é construir cerca de 100 robôs deste tipo, com três modelos de tamanhos distintos, incluindo um que poderá ser pilotado diretamente por um ser humano, além dos modelos menores, dirigidos remotamente à distância.


Governo se torna sócio da Avibrás Aeroespacial transformando dívida em ações

26 de fevereiro de 2010

O Estado de S. Paulo
quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Governo se torna sócio da Avibrás

Dívidas da principal fabricante de produtos militares do País com a União serão transformadas em participação

ASTROS II - Sistema lançador de míssil e foguetes fabricado pela Avibrás lança um míssil tático de cruzeiro - TM - até 300km de alcance - foto: Avibrás

ASTROS II – Sistema lançador de míssil e foguetes fabricado pela Avibrás lança um míssil tático de cruzeiro – TM – até 300km de alcance – foto: Avibrás

de O Estado de S. Paulo

SÃO PAULO – A Avibrás Aeroespacial, principal fabricante de produtos militares do País, vai ganhar um sócio: o governo federal. O grupo, de São José dos Campos, terá a participação do sistema financeiro da União na proporção de 15% a 25% – isso ainda está sendo discutido.

Não haverá aporte direto de dinheiro. Na forma prevista na Lei 11941/09, a presença dos recursos será efetivada por meio da conversão das dívidas da Avibrás. O anúncio da primeira parceria público-privada do setor de Defesa é esperado para abril.

A Avibrás está em regime de recuperação judicial desde julho de 2008. O valor do processo, cerca de R$ 500 milhões, foi superado pelo cumprimento de um rico contrato firmado com a Malásia, para fornecimento de baterias, munições e mais equipamentos de apoio do lançador de foguetes Astros-II, o principal produto do grupo.

Esse sistema de armas brasileiro é o principal recurso dissuasório da força terrestre malaia na região de tensão permanente no sudeste asiático.

Continue lendo »


%d blogueiros gostam disto: